SACImprensaMapa do Portal A+ R A-
Página Inicial » Observatório » Notícias e Análises » Instituto Agronômico do Paraná desenvolve tecnologias para incrementar a cafeicultura no Estado

Instituto Agronômico do Paraná desenvolve tecnologias para incrementar a cafeicultura no Estado

E-mail Imprimir

Logo_IAPARCultivares de café do IAPAR elevam produtividade e qualidade do produto e contribuem para a sustentabilidade do setor cafeeiro

O Estado do Paraná produziu em uma safra mais de 21 milhões de sacas de café de 60kg na década de 1960, com produtividade de aproximadamente 13 sacas por hectare. No entanto, o parque cafeeiro paranaense foi drasticamente reduzido a partir da década de 1970 em decorrência de fatores climáticos que afetaram expressivamente a produção, como geadas, o que motivou a erradicação de áreas do café, substituídas pelo cultivo de soja e trigo, entre outros.

Para retomar a expressividade da cafeicultura no Estado, o Instituto Agronômico do Paraná – IAPAR vem desenvolvendo cultivares de café que contribuem para essa recuperação com crescentes níveis de produtividade, qualidade do café e, consequentemente, competitividade do setor. O IAPAR é uma das dez instituições fundadoras do Consórcio Pesquisa Café, coordenado pela Embrapa Café.

Em 2016, de acordo com a Companhia Nacional de Abastecimento – Conab o Paraná será o sexto maior estado produtor, com 1,116 milhão de sacas de café, em uma área de produção de 47,3 mil hectares com produtividade de 23,6 sacas por hectare. Segundo ainda os dados da Conab, a safra do Paraná de 2014 foi bastante reduzida para 557 mil sacas, devido a geadas ocorridas em 2013. E, em 2015, a produção de café no Estado iniciou retomada do crescimento, com uma produção de 1,29 milhão de sacas (Segundo Levantamento da Safra de Café - 2016).

O Levantamento da Conab, que se baseia em dados do Departamento de Economia Rural da Secretaria de Agricultura do Paraná, enfatizou ainda que "os cafeicultores estão cientes da necessidade de modernizar a atividade com investimentos em tecnologia da produção, como o equilíbrio nutricional do solo e da planta, renovação de lavouras, aumento da produtividade média, elevado grau de mecanização, e também com boa gestão e outras ações indispensáveis para se ter renda satisfatória e ser competitivo. Parcela significativa dos produtores está iniciando esse processo substituindo lavouras velhas por novos plantios que permitem a adoção das boas práticas necessárias".

Com esse objetivo o IAPAR tem a atribuição fundamental de oferecer tecnologias que viabilizem o aumento de competitividade e eficiência necessárias à cafeicultura paranaense. O Instituto gerou modernas técnicas agronômicas de plantio adensado, manejo de solos e podas, entre várias outras. Vale destacar cultivares de café desenvolvidas pelo seu programa de melhoramento genético que resultaram em acréscimos significativos de produtividade e redução de custos, que se tem observado em muitas áreas de referência nas regiões cafeeiras do Estado.

A escolha da cultivar de café é determinante para a modernização do sistema de cultivo. Assim, as cultivares desenvolvidas pelo IAPAR têm atributos positivos que incluem resistência a pragas e doenças, tolerância a seca, além de diferentes estágios de maturação e portes, adaptação a condições de clima e solo do Paraná, e potencial de adaptação para o cultivo em outras regiões do País.

Conheça a seguir as principais cultivares de café do IAPAR recomendadas e seus atributos positivos:

IPR 107 – cultivar de café inscrita no Registro Nacional de Cultivares - RNC do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento – Mapa em 2001. Foi desenvolvida com o objetivo de combinar as características de porte baixo e de resistência completa e durável à ferrugem, à semelhança da cultivar IAPAR 59 com as características de rusticidade das cultivares "Mundo Novo". É indicada para áreas cafeeiras com solo de textura argilosa e textura média, com temperatura média anual entre 19oC e 22oC; resistente às raças de ferrugem presentes no Paraná em 2010. Tem maturação semiprecoce e apresentou produtividade média de 53 sacas por hectare nos quatro primeiros anos, em lavouras do Paraná, com temperatura média de 19,5°C e cultivo no sequeiro.

IPR 103 - registrada em 2001; foi desenvolvida para locais de solos pobres e com temperatura média anual entre 21oC e 23oC. É indicada para cultivo no Noroeste do Paraná, região do Arenito Caiuá, com alta produtividade. Também é de elevada produtividade na região de terra roxa (fria) do Paraná, porém é indicada para áreas menos sujeitas a geadas, pois é de maturação supertardia. Apresenta resistência parcial à ferrugem nas condições do Estado do Paraná.

IPR 100 - registrada em 2001; é indicada preferencialmente para regiões de cultivo (aptas quentes), com temperatura média anual acima de 21,5oC. Nas regiões aptas mais frias, com temperatura média anual abaixo de 20,5oC, a cultivar também apresenta alta produtividade, porém é indicada para áreas menos sujeitas às geadas de início de inverno. Apresenta maturação tardia e resistência aos nematoides Meloidogyne paranensis e a algumas raças de Meloidogyne incognita. A produtividade pode atingir até 58,8 sacas por hectare.

IPR 99 - registrada em 2001; é indicada para regiões cafeeiras do Estado do Paraná, em plantio adensado (7.000 a 10.000 plantas). Resistente à ferrugem nas condições do Estado do Paraná, não abrangendo todas as raças conhecidas do patógeno em âmbito mundial, podendo eventualmente ser necessário o controle químico. A IPR 99 é suscetível à cercóspora, mas apresenta excelente produtividade, com 46,6 sacas por hectare e baixo custo de produção.

IPR 98 - registrada em 2001; foi desenvolvida para cultivos adensados, possui ciclo de maturação médio, porte baixo e resistência à ferrugem. Viabiliza o escalonamento da colheita na propriedade, pois seus frutos amadurecem em período intermediário ao de outras cultivares, como por exemplo, a IAPAR 59 e Tupi IAC 1669-3. As avaliações da IPR 98 realizadas ao longo de seis anos nas regiões cafeeiras do Paraná indicaram produtividade de 79 sacas/hectare em um adensamento de 8.000 plantas/hectare.

IAPAR 59 - registrada em 1999; é indicada para regiões mais frias, chuvosas e com solo mais argiloso ou com mais matéria orgânica. A IAPAR 59 tem ciclo precoce, o que possibilita a antecipação da colheita antes que eventuais geadas incidam sobre os frutos ainda verdes. Essa cultivar tem boa produtividade e é ideal para plantio adensado em função do seu porte baixo e resistência à ferrugem.

Para mais informações sobre como obter as cultivares (sementes básicas), entre em contato com o IAPAR pelo telefone (43) 3376-2482 e e-mail  Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo. . Além disso, a rede de viveiristas credenciados no Paraná pode ser obtida no Registro Nacional de Sementes e Mudas – Renasem, do Mapa. O acesso a informações sobre essas cultivares estão disponíveis no site do IAPAR em "Sementes e Mudas" e no Observatório do Café, do Consórcio Pesquisa Café coordenado pela Embrapa Café.

 

Confira todas as análises e notícias divulgadas pelo Observatório do Café no link abaixo:

http://www.consorciopesquisacafe.com.br/index.php/imprensa/noticias

Para saber mais sobre o IAPAR, Embrapa Café, Observatório do Café, Consórcio Pesquisa Café e o portfólio de tecnologias do Consórcio Pesquisa Café, acesse:

Instituto Agronômico do Paraná – IAPAR

http://www.iapar.br/

Embrapa Café

https://www.embrapa.br/cafe

Observatório do Café

http://www.consorciopesquisacafe.com.br/index.php/consorcio/separador2/observatorio-do-cafe

Consórcio Pesquisa Café

http://www.consorciopesquisacafe.com.br/

Publicações sobre café e portfólio de tecnologias do Consórcio Pesquisa Café

http://www.consorciopesquisacafe.com.br/index.php/publicacoes/637

 

Gerência de Transferência de Tecnologia da Embrapa Café

Texto: Lucas Tadeu Ferreira - MTb 3032/DF, Anísio José Diniz – Pesquisador e Jamilsen Santos MTb 11015/DF.